Archive

Posts Tagged ‘brasil de pelotas’

Vídeos inesquecíveis! BRApel 319

23 de julho de 2012 2 comentários

Passei algumas fitas VHS da década de 90 para dvd e começo aos poucos a passar estas relíquias para o blog. O primeiro vídeo é de uma reportagem do Jornal do Almoço da RBSTV antes da realização do BRApel 319 que aconteceu em 24.4.1994.

Dados do jogo:

BRAPEL 319 – 24/04/1994
BRASIL 0 x 0 EC Pelotas

BRASIL: Cássio, Paulo Roberto, Silva, Rogério Camaquã e Clausemir, Marco Aurélio, Lúvio e Cleber (Netinho), Bira e Sassia (Martins). Técnico Ceará.

PELOTAS:João Scherer, Bruno, Eugênio, Paulo Ricardi e Gilmar, Élton, Túlio, Luís Carlos Gaúcho e Pianelli. Técnico Paulo Sérgio Poletto.

De arrepiar!

27 de julho de 2011 Deixe um comentário

Tour pela cidade de Pelotas no XAVABUS!

23 de março de 2011 Deixe um comentário

Neste último final de semana fui contemplado em um sorteio da Associação CRESCE XAVANTE. O sorteio dava direito a um tour pela cidade de Pelotas no mais novo patrimônio da associação. Trinta e cinco XAVANTES foram sorteados e tiveram a sorte de conhecer o novo ônibus doado pelo EXPRESSO EMBAIXADOR. Foi uma loucura! Todo mundo animado, TVs de LCD passando as imagens do DVD PAIXÃO XAVANTE. Parabéns a toda torcida que contribuiu através da compra de rifas e doações para compra dos equipamentos eletrônicos e para a pintura personalizada do ônibus.

Também conhecemos um pouco mais da história do CRESCEXAVANTE, associação que tem revolucionado o patrimônio e a auto-estima de todos os XAVANTES.

Fotos – Clique aqui!

Tour em Pelotas no ônibus do XAVANTE

Tour em Pelotas no ônibus do XAVANTE

Pesquisa e agradecimentos

10 de janeiro de 2011 2 comentários

O ano do centenário deste clube tão amado por todos na cidade de Pelotas e em todo o estado do Rio Grande do Sul faz com que algumas pesquisas e novos fatos sejam revelados ou descobertos, uma forma de renovação dos votos de torcedores e simpatizantes do futebol. Muitos fatos da história XAVANTE são facilmente lembrados, o primeiro campeonato gaúcho (1919), os BRApeis (2004), a construção do Bento Freitas (1943), mas poucos se perguntam onde foi o “marco zero”, o local onde aqueles abenegados rapazes resolveram criar umas das maiores paixões futebolísticas do mundo.

Começou então a busca pela casa de número 56 da Rua Santa Cruz em Pelotas. A Rua Santa Cruz é uma das mais antigas da cidade de Pelotas porém de pouca relevância social na rica Pelotas de antigamente, sua extensão começa nas proximidades do canal São Gonçalo até uns 100m adiante da Avenida Bento Gonçalves (descrito em [ Blog: Pelotas, Capital Cultural]).

O curioso é que a rua começa na zona portuária da cidade com um portão que separa a rua de um terreno à beira do Canal São Gonçalo onde a primeira casa tem a numeração 441. Percorrendo a extensão da mesma percebe-se que não existe numeração mais baixa. Segundo o blog Pelotas, Capital Cultural nos anos 70 a Rua Santa Cruz sofreu alteração em sua numeração para acompanhar o crescimento da cidade.

Através do contato com o historiador Mário Osório Magalhães foi consultada uma lista telefônica da década de 30, onde a numeração da rua ainda estava intacta. O primeiro prédio que aparece na Rua Santa Cruz (com telefone) é o de número 55; o seguinte, de número 104, era público: pertencia à Rede Hidráulica no Almoxarifado Central e à Seção de Reclamações de Águas e Esgotos podendo-se concluir que a numeração começava na região sul, zona do Porto, como ainda hoje.

Em paralelo a consulta ao registro de imóveis o Sr. Francisco Antônio Vidal responsável pelo blog Pelotas, Capital Cultural fez uma importante descoberta encontrando o antigo número 105 entre as Ruas Benjamin Constant e Conde de Porto Alegre (uma placa que não foi removida nos últimos 40 anos).

Do outro lado da rua oposta ao prédio do SANEP uma placa da antiga numeração da Rua Santa Cruz, número 105.

Do outro lado da rua oposta ao prédio do SANEP uma placa da antiga numeração da Rua Santa Cruz, número 105.

Do outro lado do antigo número 105 o prédio onde hoje funciona o SANEP, ou seja, o antigo prédio 104 onde funcionava a Rede Hidráulica no Almoxarifado Central e à Seção de Reclamações de Águas e Esgotos. Pode-se assim isolar o possível local da casa de número 56, ficando entre as Ruas João Manoel e Conde de Porto Alegre.

Foto do atual prédio do SANEP, o antigo prédio 104 da Rua Santa Cruz onde funcionava a Rede Hidráulica no Almoxarifado Central e à Seção de Reclamações de Águas e Esgotos.

Foto do atual prédio do SANEP, o antigo prédio 104 da Rua Santa Cruz onde funcionava a Rede Hidráulica no Almoxarifado Central e à Seção de Reclamações de Águas e Esgotos.

O prédio de número 55 era de propriedade do Sr. Antonio Alves Crugera, de acordo com consulta ao SMUMA de Pelotas. Também no SMUMA descobriu-se que o antigo número 55 é o atual 623 e 625. Para confirmar a localização do número 56 da Rua Santa Cruz foi feita uma consulta ao registro de imóveis da cidade para localizar a moradia de José Moreira de Brito, pai de Salustiano Brito, onde relatos históricos dizem que em sua propriedade aconteceu a reunião de fundação do Grêmio Esportivo Brasil.

Atuais números 623 e 625, os quais na época equivalem ao número 55. A casa verde ao lado era a de número 57 da Rua Santa Cruz, atual 631.

Atuais números 623 e 625, os quais na época equivalem ao número 55. A casa verde ao lado era a de número 57 da Rua Santa Cruz, atual 631.

No registro de imóveis (REGISTRO DE IMÓVEIS, 1.ª ZONA, Pelotas – RS. Livro 3L folha 205 número 16944; 2° REGISTRO DE IMÓVEIS, Pelotas – RS. Livro 3D folha 57 número 4452; 2° REGISTRO DE IMÓVEIS, Pelotas – RS. Livro 3F folha 81 número 9785.) confirmou-se que José Moreira de Brito era proprietário de uma chácara no número 58 e não 56. A casa de número 56 pertenceu ao Sr. Dioclécio dos Santos, no entanto não se tem detalhes da localização.

O primeiro registro encontrado da casa do Sr. José Moreira de Brito foi quando o mesmo vendeu a propriedade para a prefeitura de Pelotas em 1921. Na descrição da venda é relatada com exatidão a sua localização:

“Uma chacara, situada nesta cidade, no quadro de terreno formado pelas ruas Conde de Porto Alegre, ao Norte; Rua Barroso, a Leste; João Manoe,l ao Sul; e Santa Cruz, a Oeste; por onde o terreno tem sua frente, que essa chacara arborizada, esta cercada por uma cerca de espinho e arame farpado; que dentro da referida chacarsa e tambem de propriedade dos transmitententes, existem duas casas, uma de tijolos, com quatro aberturas de frente, pela rua Santa Cruz, numero 58 e que tem sido a casa de moradia dos transmitentes, outra ainda por acabar, construida por cimento armado de frente pela rua João Manoel; que no referido terreno, segundo as medições tomadas pelos transmitentes mede noventa e dois metros e cinquenta centimetros de largura (92m50), pela Rua Conde de Porto Alegre, por cento e quatorze metros e cinquenta centimentos de comprimento (114m50) pela rua Barroso”

O famoso número 58 da Rua Santa Cruz está localizado atualmente na antiga fábrica de óleos Sorol Olvebra. A casa de número 56 pelas descrições do registro de imóveis ficaria na quadra onde hoje tem início a Rua Santa Cruz e atualmente funciona um estacionamento da fábrica de cimento CIMPOR (Rua Santa Cruz com João Manoel). Idependente do número onde foi realizada a reunião de fundação do Grêmio Esportivo Brasil é momento de prestigiarmos o local como sendo um dos pontos turísticos de nossa Princesa do Sul.

Esquina da Rua Santa Cruz com Rua Conde de Porto Alegre, local de fundação do Grêmio Esportivo Brasil, antigo número 58.

Esquina da Rua Santa Cruz com Rua Conde de Porto Alegre, local de fundação do Grêmio Esportivo Brasil, antigo número 58.

CLIQUE AQUI PARA VER UM ALBUM DE FOTOS DA RUA SANTA CRUZ!

Agradecimentos:

– Denisia Freitas: minha mãe, a qual percorreu cartórios e orgãos públicos de Pelotas na busca da história do clube do povo.
– Francisco Antônio Vidal: da equipe do blog Pelotas, Capital Cultural com valiosas informações e investigações. http://pelotascultural.blogspot.com/
– Mário Osório Magalhães: pela pesquisa realizada em uma lista telefônica dos anos 30.
– Lara Bohm (Molina): integrante do Fórum Xavante a qual passou valiosos contatos.
– Xavante Munhoso: integrante do Fórum Xavante, e incentivador da história rubro-negra. http://xavantemunhoso.blogspot.com/

A origem e fundação do Grêmio Esportivo Brasil

1 de janeiro de 2011 9 comentários

Tudo começou com a chegada de Leopoldo Haertel a cidade de Pelotas. Nascido em Porto Alegre em 1862 Haertel iniciou a fabricação de cervejas com o Sr. Bapp em Porto Alegre e em 1889 instalou em Pelotas a fábrica da Cervejaria Sul Rio-Grandense, ou popularmente conhecida como Cervejaria Haertel. Na época eram fabricados cervejas, águas minerais e gasosas, gelo e sifões [2].

Uma das principais cervejarias do país na época instalada em Pelotas

A cervejaria que deu origem ao Grêmio Esportivo Brasil

Sr. Leopoldo Haertel

Sr. Leopoldo Haertel

As instalações desta fábrica tiveram um incentivo da outra cervejaria já instalada na cidade, a Cervejaria Ritter, mediante empréstimo de 600 mil reis. O primeiro endereço da Cervejaria Sul-Rio-Grandense foi a Rua Conde de Porto Alegre, 44, na zona do porto em Pelotas. De acordo com [1] em 1914 e 1915 foram construídos os novos escritórios da cervejaria, voltados para a Rua Benjamin Constant com entrada pelo número 51, e um prédio de cinco pavimentos junto a Rua José do Patrocínio. Anos mais tarde segundo [3] a Cervejaria Haertel foi vendida a Cervejaria Ritter.

Prédio Cervejaria Haertel

Prédio Cervejaria Haertel

Cervejaria Haertel Foto: Blog Paixão Xavante

Condições atuais do prédio Cervejaria Haertel

Localização e coordenadas GoogleMaps: -31.781178,-52.336534
Link: Clique aqui

Na época (1911) era comum que os funcionários das fabricas de Pelotas se reunissem para praticar o futebol, ou foot-ball como era chamado. O esporte recém chegado em Pelotas (a primeira exibição de futebol na cidade foi em 1901 [11]) ganhava cada vez mais adeptos. Na Cervejaria Haertel não era diferente, pelos registros históricos os funcionários da fábrica mantinham uma agremiação denominada de Sport Club Cruzeiro do Sul a qual a sede social (campo) ficava localizada ao lado da fábrica [4], provavelmente na Rua Conde de Porto Alegre número 44. Apesar dos registros citarem o clube mantido por funcionários da fábrica o mesmo não disputava nenhum torneio da Liga Pelotense de Amadores de Desportos (L.P.A.D), que foi criada em 1907 e que em 1923 mudou o nome para Liga Pelotense de Futebol (LPF) [5].

Certo dia enquanto alguns jogadores do Sport Club Cruzeiro do Sul chegavam para praticar futebol na sede da agremiação outros colaboradores estavam a construir uma cerca em volta do campo. À medida que os jogadores chegavam para treinar os que estavam construindo a cerca exigiram que os ajudassem impedindo que o treino de foot-ball acontecesse. Dois jogadores indignados por não terem direito de praticar o recém chegado esporte resolveram sair da sede do Cruzeiro do Sul, estes dois jogadores eram Breno Corrêa da Silva e Salustiano Brito. Ambos saíram do frustrado treino caminhando pelo centro da cidade discutindo a idéia de fundar um novo clube de futebol e então marcaram algumas reuniões que aconteceram na casa do pai de Salustiano Brito, o senhor José Moreira de Brito, na Rua Santa Cruz número 56. E em 7 de setembro de 1911 após assembléia nesta localidade foi fundado o Grêmio Sportivo Brasil (grafia da época) ou Grêmio Esportivo Brasil, nome dado em homenagem a data de independência do país [4].

Até o presente momento todos os relatos retratam a reunião de fundação do Grêmio Esportivo Brasil ocorrida no prédio de número 56 da Rua Santa Cruz. No entanto ao tentar localizar o prédio onde aconteceu a reunião de fundação do clube foram constatados alguns fatos interessantes resultando em uma divergência no exato local onde se reuniram os abnegados rapazes pelotenses. A casa do Sr. José Moreira de Brito, pai de Salustiano Brito foi a de número 58 (segundo [7,8], registros de 1921) na Rua Santa Cruz. O conhecido endereço de número 56 da Rua Santa Cruz pertenceu ao Sr. Dioclécio dos Santos (registro de 1909, sem muitos detalhes de localização [9]), provavelmente ao lado da casa de número 58, não sabendo qual a relação do mesmo com a família Brito. As pesquisas da localização do prédio de fundação do GEB revelaram onde ocorreram as reuniões para fundação do Grêmio Esportivo Brasil em 1911. Os documentos obtidos nos registros de imóveis descrevem a casa de número 58 propriedade do Sr. José Moreira de Brito na Rua Santa Cruz da seguinte maneira (descrição referente à venda do terreno ocorrida em 19/07/1921 [7]):

“Uma chacara, situada nesta cidade, no quadro de terreno formado pelas ruas Conde de Porto Alegre, ao Norte; Rua Barroso, a Leste; João Manoe,l ao Sul; e Santa Cruz, a Oeste; por onde o terreno tem sua frente, que essa chacara arborizada, esta cercada por uma cerca de espinho e arame farpado; que dentro da referida chacarsa e tambem de propriedade dos transmitententes, existem duas casas, uma de tijolos, com quatro aberturas de frente, pela rua Santa Cruz, numero 58 e que tem sido a casa de moradia dos transmitentes, outra ainda por acabar, construida por cimento armado de frente pela rua João Manoel; que no referido terreno, segundo as medições tomadas pelos transmitentes mede noventa e dois metros e cinquenta centimetros de largura (92m50), pela Rua Conde de Porto Alegre, por cento e quatorze metros e cinquenta centimentos de comprimento (114m50) pela rua Barroso”

Rua Santa Cruz, Pelotas, Rio Grande do Sul. Local de fundação do Grêmio Esportivo Brasil em 7 de setembro de 1911. Foto: Blog Paixão Xavante

Rua Santa Cruz, Pelotas, Rio Grande do Sul. Local de fundação do Grêmio Esportivo Brasil em 7 de setembro de 1911. Foto: Blog Paixão Xavante

O famoso número 58 da Rua Santa Cruz está localizado atualmente na antiga fábrica de óleos Sorol Olvebra (construção à esquerda da foto). A casa de número 56 pelas descrições do registro de imóveis ficaria na quadra onde hoje tem início a Rua Santa Cruz e atualmente funciona um estacionamento da fábrica de cimento CIMPOR (Rua Santa Cruz com João Manoel).

Localização e coordenadas GoogleMaps: -31.780663,-52.342484
Link GoogleMaps: Clique aqui.

Após algumas reuniões na chácara de número 58 da Rua Santa Cruz foi formada a primeira diretoria com Dario Feijó, presidente (foto abaixo, obtida em [12]); Silvio Corrêa da Silva, vice; Walter Pereira, 1º secretário; Raymundo do Rego, tesoureiro; Breno Corrêa, adjunto; e os diretores Manoel Joaquim Machado, Ulysses Carneiro, Manoel de Souza, Nicolau Nunes, Paulo Castro e Mário Reis [4].

Dario Feijó, primeiro presidente do Grêmio Esportivo Brasil em 1911.

Dario Feijó, primeiro presidente do Grêmio Esportivo Brasil em 1911.

O clube por ter sido criado na data de independência do país teve como cores iniciais o verde e amarelo. Quando os novos dirigentes saíram às ruas com o livro de ouro, a fim de arrecadar fundos para a compra das camisetas, eles encontraram um comerciante português que mudaria as cores – e conseqüentemente a história – do Grêmio Esportivo Brasil [4]. Era Manoel Aires Filho, o Maneca (existe uma certa confusão em relação a este nome histórico, algumas revistas esportivas antigas citam na mesma página dois nome distintos para se referir a mesma pessoa, Manoel Ayres Júnior e Manoel Ayres Filho, parece se tratar da mesma pessoa que em 1912 foi presidente do clube), fã do clube social de Pelotas chamado Diamantinos, e ofereceu aos rapazes custear os uniformes do novo clube desde que o clube adotasse novas cores, o vermelho e preto (cores do clube Diamantinos) [10]. Surgia o manto RUBRO-NEGRO!

Bibliografia:
[1] http://www.cervisiafilia.com.br/antigacerv/haerthel.html
[2] http://www.novomilenio.inf.br/santos/h0300g41g.htm
[3] http://imagenshistoricas.blogspot.com/2009/11/fotos-antigas-de-pelotas.html
[4] http://www.gebrasil.com.br/clube/historia.php
[5] http://www.ligapelotense.com.br/lpf
[6] http://pelotascultural.blogspot.com/2009/03/rua-santa-cruz-inicio-e-fim.html
[7] REGISTRO DE IMÓVEIS, 1.ª ZONA, Pelotas – RS. Livro 3L folha 205 número 16944.
[8] 2° REGISTRO DE IMÓVEIS, Pelotas – RS. Livro 3D folha 57 número 4452.
[9] 2° REGISTRO DE IMÓVEIS, Pelotas – RS. Livro 3F folha 81 número 9785.
[10] http://www.gebrasil.com.br/noticias/noticias-detalhe.php?id=54
[11] Eliseu de Mello Alves, O futebol em Pelotas 1901-1941. Volume 1, 1984.
[12] Carlos Insaurriaga. Fotógrafo Grêmio Esportivo Brasil.